Patologias

Perturbações de Aprendizagem

Condições neurológicas que tornam difícil a aquisição de certas competências académicas e sociais. Estas afetam a forma como o cérebro recebe, processa, armazena, responde e comunica a informação e não devem ser confundidas com atraso mental ou autismo. As crianças com perturbações de aprendizagem possuem um desempenho intelectual dentro ou acima da média e não apresentam défices sensoriais, todavia, debatem-se por manter-se a par com crianças da mesma idade no que diz respeito à aquisição de competências académicas básicas.

Um dos sinais manifestados é uma discrepância assinalável entre o nível esperado de desempenho intelectual e o que se verifica na realidade. Afetando cada criança de forma individualizada variam em conformidade com o estágio de desenvolvimento em que esta se encontre, coexistindo frequentemente em comorbilidade com outras complicações. Cerca de 1/3 das crianças com estas dificuldades, manifestam Défice de Atenção/Perturbação Hiperatividade, o que torna difícil permanecerem concentradas numa tarefa específica, refletindo-se negativamente sobre o seu comportamento e desequilibrando a dinâmica intrapsíquica.

As perturbações de aprendizagem afetam a forma como a criança escuta, fala, lê, escreve e raciocina, verbal e matematicamente.

Se suspeita que o(a) seu/sua filha(a) tem uma perturbação de aprendizagem, é importante reunir informações por parte das pessoas que regularmente contactam com a criança. Se existem sinais de frustração derivada da aprendizagem durante um determinado período de tempo, o próximo passo é procurar um neuropsicólogo e realizar uma avaliação.

A identificação precoce é vital para ajudar a criança a atingir o sucesso académico e sociais desejáveis. Observe a forma como a sua criança desenvolve a linguagem, coordenação motora e aptidões sociais. Até mesmo crianças em idade pré-escolar podem manifestar sinais de perturbações de aprendizagem.

Se o(a) seu/sua filha(a) tem uma perturbação de aprendizagem, a intervenção precoce, com estratégias de ensino especializadas, podem ajudar a transpor as dificuldades. Aprenda o máximo que puder e ajude-a a compreender que ele(a) não está sozinho(a): outras crianças também apresentam dificuldades, e, nós estamos aqui para ajudar.

Assim que uma perturbação da aprendizagem seja identificada, diferentes tipos de medidas escolares podem ser tomadas, tais como, acomodações (mais tempo para terminar uma tarefa, suporte auditivo, recurso ao gravador de áudio) ou modificações especiais (testes abreviados ou trabalhos alternativos).

Dislexia

O termo dislexia é aplicável a uma situação na qual a criança é incapaz de ler com a mesma facilidade com que leem as crianças do mesmo grupo etário, apesar de possuir uma inteligência normal, saúde e órgãos sensoriais intactos, liberdade emocional, motivação e incentivos normais, bem como instrução adequada.

A observação e acompanhamento de crianças disléxicas mostrou-nos que estas apresentam perturbações que ultrapassam, em larga escala, a simples função da leitura. Associada à Dislexia encontra-se, a maior parte das vezes, uma disgrafia, ou seja, dificuldades da transição escrita da linguagem falada. A nível gráfico são frequentes as confusões, as omissões e as inversões. A apresentação é defeituosa, de tal modo que, muitas vezes, a criança não consegue seguir as linhas. Os seus textos pecam por falta de pontuação, ou quando existe, é colocada de forma anárquica. A sintaxe é defeituosa e há uma má compreensão das funções dos vários elementos da frase (sujeito, predicado e complementos).

Esta desorientação, que afeta um número cada vez maior de crianças a nível mundial, nem sempre é bem compreendida por pais e professores que, de forma um pouco leviana, optam por um diagnóstico fácil de preguiça, o que faz com que a criança disléxica se afunde ainda mais na sua perturbação, desencadeando verdadeiros processos de perturbação emocional como depressão, ansiedade e, não raras vezes, hiperatividade

Eis alguns dos sintomas de dislexia que devemos ter em atenção:

  1. Antes da escolaridade:
    1. Se a criança começa a andar tardiamente,
    2. Se cai com frequência,
    3. Se começa a falar tardiamente
    4. Se utiliza uma linguagem “abebesada” até aos 4/5 anos
  2. Depois da entrada para a escola:
    1. Se tiver dificuldades em copiar,
    2. Se trocar as letras,
    3. Se escrever em espelho,
    4. Se tiver dificuldade em descodificar os sons,
    5. Se ler e escrever “deitada” por cima da mesa,
    6. Se ficar cansada rapidamente ao ler e escrever,
    7. Se tiver dificuldade no esquema corporal (desorientação direita-esquerda)

O tratamento da dislexia e de outras formas de perturbações de aprendizagem (discalculia, disgrafia, dispraxia e perturbação do processamento auditivo e visual), em comorbilidade ou não com outros transtornos relacionados (por exemplo, défice de atenção/perturbação hiperatividade), pode ser realizado integral e intensivamente neste centro, o qual dispõe de neuropsicólogos especialistas em treino cognitivo, terapeutas de psicomotricidade e técnicos de apoio psicopedagógico.

Défices Cognitivos

Os défices cognitivos têm uma etiologia multifatorial, podendo ser provocados por traumatismos crânio-encefálicos, acidentes vasculares cerebrais, anoxia, entre outras. Estes, pela natureza da lesão, podem provocar compromissos irreversíveis e generalizados no domínio das funções nervosas superiores (atenção, memória, funcionamento executivo, raciocínio viso-espacial e linguagem). Para além do compromisso intelectual, surgem também muitas vezes associadas, perturbações comportamentais.

Uma lesão cerebral tem um efeito devastador a longo prazo, quer para a criança quer para os pais. Os efeitos físicos da mesma podem remediar-se, no entanto, uma lesão cerebral permanece para a vida e pode influenciar tudo o que pensamos, sentimos e fazemos.

Algumas das sequelas mais comuns com que uma criança tem de lidar são: perda de memória, problemas motores, fadiga, diminuição da concentração, alterações da personalidade, perturbações comportamentais e alterações na forma como se percecionam a si e aos outros. Este programa, passa pela elaboração de um programa de reabilitação cognitiva personalizado para colmatar os défices sinalizados aquando da avaliação neuropsicológica.

Hiperatividade e Défice de Atenção

No nosso centro seguimos as diretrizes da Academia Americana de Pediatria (AAP), utilizando o neurofeedback e o treino cognitivo da memória de trabalho no tratamento de crianças e adolescentes com Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (PHDA). Os nossos resultados vêm no sentido de que estas técnicas aumentam significativamente a atenção e reduzem a hiperatividade. Dado o elevado número de crianças diagnosticadas com PHDA e cuja terapêutica parece passar apenas pela medicação, o nosso objetivo é fornecer aos pais uma forma alternativa e eficaz de tratamento.

Perturbações Emocionais e Comportamentais

Tem como objetivo dar resposta clínica às Perturbações do Humor (Ansiedade, Depressão e Perturbação Bipolar) e do Comportamento (Oposição e Desafio e Perturbação da Conduta) que surgem em comorbilidade com outras perturbações do desenvolvimento ou que podem ser resultantes, por exemplo, de dificuldades de aprendizagem.

Atraso de desenvolvimento Psico-motor

O atraso de desenvolvimento psico-motor é um sinal clínico que se caracteriza por incapacidade de realizar tarefas expectadas para a idade da criança. Este sinal clínico pode ser idiopático (sem causa conhecida) ou secundário a outra patologia (como por exemplo prematuridade, paralisia cerebral …)

Síndrome de Down

É uma alteração genética com feições características e implica ao indivíduo dificuldades motoras e cognitivas, que estão intimamente ligadas pelo que beneficiam bastante do treino de ambas as competências.

Torcicolo congénito

Torcicolo é uma patologia muito comum, e está associada a posicionamento. Carece de intervenção para restaurar a mobilidade, redução da dor e prevenir incapacidade duradoura.

Displasia da anca

Displasia da anca é uma patologia que ocorre frequentemente em crianças nos primeiros meses de vida, devido à elevada elasticidade dos ligamentos. A intervenção médica será importante para assegurar a integridade da articulação, mas como esta intervenção inclui usualmente um período de imobilização, a intervenção da fisioterapia será importante para reduzir o impacto negativo do período de imobilização, nomeadamente ao nível do desenvolvimento psico-motor.

Pé boto

É uma patologia muscular (contratura) que não permite a correta posição do pé.  A intervenção da fisioterapia pretende restaurar a mobilidade de forma a permitir a função futura.

Paralisia Cerebral

A paralisia cerebral é um tempo de lesão que ocorre antes, durante ou imediatamente após o parto, sendo que frequentemente não há uma casual identificada para a lesão cerebral. Serão crianças com dificuldades motoras e sensoriais que irão limitar ou retardar o seu desenvolvimento psico-motor, no entanto não há uma associação consistente com défices cognitivos.

A reabilitação irá ser fundamental para por um lado reduzir as dificuldades sensoriais, motoras e de comunicação da criança, e por outro lado ajudar a aproximar o desenvolvimento psico-motor do desenvolvimento normativo.

Demências

Um conjunto de patologias caracterizado por lesão cerebral usualmente gradual e progressiva que implica que o indivíduo tenha limitação superior ao esperado para a sua idade, em pelo menos dois campos cognitivos.

Frequentemente a memória, orientação espácio-temporal e agnosia apresentam limitações nestes utentes. As patologias classificadas como demência podem ser diferentes tipos como: doença de Alzheimer, demência de corpos Lewis, demência vascular, entre outras…

Estas patologias têm diferentes apresentações e têm também diferentes fases de progressão, sendo que as fases mais avançadas apresentam sintomas mais severos.

AVC – Acidente Vascular Cerebral

(também chamado de derrame cerebral, trombose, acidente vascular encefálico)

Um AVC é uma lesão cerebral de origem vascular (hemorrágica ou isquémica) que irá provocar lesão de uma zona cerebral devido à alteração da irrigação sanguínea, visto que sem a irrigação sanguínea as células não conseguem funcionar e as funções que desempenhavam vão ficar limitadas.

No entanto após AVC é possível criar vias alternativas para as ligações cerebrais que foram lesionadas (através do processo de neuroplasticidade) e também é possível que se formem novos neurónios para substituir os lesionados (processo que tem menor escala e é chamado de neurogénese).

Os sintomas de um indivíduo que sofreu AVC dependem do ramo vascular que foi afetado podendo incluir lesão motora, sensorial, da comunicação, raciocínio ou comportamental. Um utente poderá apresentar dificuldades em um só destes campos ou em vários.

TCE – Traumatismo Crânio-Encefálico

Um Traumatismo Crânio-Encefálico ocorre após um evento traumático que pode ser de distinta origem, como por exemplo, acidente de viação, queda, agressão, lesão perfurante, entre outras. O indivíduo irá demonstrar sintomas e sinais clínicos relacionados com a área cerebral lesionada que está associada ao local que sofreu o impacto no crânio, bem como o lado oposto, devido ao movimento da massa encefálica dentro do crânio.

Este movimento da massa encefálica dentro do crânio provoca usualmente lesões profundas, devido às tensões de rotação ou deslocação a que são sujeitas, para além das lesões das áreas mais próximas da superfície do crânio.

LVM – Lesão Vertebro-medular

Lesão Vertebro-Medular é caracterizada por uma disfunção da função neurológica da medula usualmente associada a um evento traumático onde poderá também ter ocorrido lesão de uma ou mais vértebras.

Estas lesões têm características motoras e /ou sensoriais e podem ser completas ou incompletas, sendo que a lesão incompleta está associada a um melhor prognóstico mediante reabilitação.

Esclerose Múltipla

Esclerose Múltipla é uma doença desmielinizante, degenerativa e progressiva, o que significa que apesar de não existir lesão a nível cerebral os impulsos nervosos não conseguem chegar de forma íntegra aos músculos.

É uma patologia com sintomas essencialmente motores, que se começam a evidenciar de baixo para cima, sendo que os utentes vão se tornando progressivamente menos capazes de se mover de forma independente. Os primeiros sinais são fadiga, fraqueza muscular, depois surge incapacidade de produzir movimento e suportar o corpo sem ajuda (canadiana, andarilho) e posteriormente os utentes têm que recorrer à cadeira de rodas para se deslocar. Existe também a presença de sintomas nos membros superiores que surgem mais tarde ou com menos intensidade e apresentam uma progressão semelhante.

Existem diferentes tipos de esclerose múltipla, podendo ter surtos. A Fisioterapia irá contribuir para abrandar o desenvolvimento da patologia.

Doença de Parkinson

Ataxia é um sinal clínico presente em doenças do movimento, sendo que algumas patologias são descritas como ataxia. Ataxia é a incapacidade de controlar os movimentos e pode ter diferentes apresentações e severidade.

Ataxias

Ataxia é um sinal clínico presente em doenças do movimento, sendo que algumas patologias são descritas como ataxia. Ataxia é a incapacidade de controlar os movimentos e pode ter diferentes apresentações e severidade.